Claramente um dos sectores com menos adesão por falta de conhecimento, e ironicamente com as mais altas comparticipações por parte da Comunidade Europeia! Investimentos em alguns tipos de infra-estruturas chegam aos 100% de comparticipação. Quais, como? Nós informamos e preparamos o seu processo!

Embora seja um tipo de apoio mais destinado a entidades colectivas, autarquias locais e organizações de produtores, indirectamente poderão beneficiar o agricultor individual. Saiba como!

  • Caminhos Agrícolas

    Os projectos de caminhos agrícolas e rurais, têm como objectivo melhorar as acessibilidades nas zonas rurais através do apoio à abertura ou melhoria de caminhos agrícolas e rurais, facilitando a circulação de pessoas e equipamentos, o acesso às explorações agrícolas e o escoamento dos produtos agrícolas. São elegíveis investimentos tais como construção ou beneficiação dos caminhos, incluindo obras de arte, sinalização e acções minimizadoras de impacte ambiental, estudos e fiscalização de obras, etc.

    Aquele caminho ou acesso às suas terras que vem reclamando consecutivamente à sua Junta de Freguesia ou Câmara Municipal, e que nunca mais tem resposta, pode deste modo ver acelerarada a sua realização. Apoios que podem atingir os 100% de comparticipação, são com certeza um óptimo aliciante a qualquer autarca deste País.

  • Regadios Colectivos

    Neste tipo de candidaturas procura-se apoiar a construção de aproveitamentos hidro-agrícolas de média e pequena dimensão, melhoria do aproveitamento dos já existentes, e a identificação de potencialidades hidro-agrícolas a nível regional, nomeadamente em zonas de boa aptidão agrícola.

    Em português comum, procura-se apoiar iniciativas de regadio, sobretudo colectivas, com o objectivo de aproveitar melhor este recurso essencial, que é a água. Todos estes investimentos, pelo seu carácter e importância para a actividade agrícola nacional, poderão beneficiar de apoios que atingem os 100% de comparticipação.

    São investimentos elegíveis, entre outros os seguintes: construção, modernização ou reparação de barragens, charcas e açudes de derivação, açudes, reservatórios, estações elevatórias e de bombagem e respectivos equipamentos e tomadas de água; construção de pequenas barragens subterrâneas; prospecção e captação de águas subterrâneas através de furos e poços; construção ou recuperação de redes de rega, de drenagem, de enxugo e viária; construção de centrais minihídricas; aquisição e montagem de contadores de água em redes de rega colectiva sob pressão ou outro equipamento necessário a uma adequada gestão da água.