A fruticultura, no âmbito mais geral abarca um conjunto muito alargado de espécies, adaptadas às mais variadas condições de climas e solos. Aliando as novas tecnologias de produção e mecanização agrícolas aplicadas aos pomares, obtêm-se frutos com as mais variadas formas de rentabilização, mas no comum entre todos eles são os encargos mais reduzidos e a mão-de-obra bastante mais facilitada, isto comparando com um passado relativamente recente. Resumindo, a aposta na fruticultura actualmente é mais simples, mais barata e sobretudo mais rentável, se a instalação, produção e maneio do pomar for correctamente executado.

Não menos importante que as técnicas agrárias correctamente aplicadas, alia-se o favorecimento político na instalação destas culturas, ou seja, na conjuntura agrícola actual, as actividades frutícolas são favorecidas em detrimento de outras. Isto pressupõe em alguns tipos de projectos, apoios comunitários mais elevados.

Dentro das culturas pomareiras tradicionais com aptidão para as condições de solo e clima portugueses, destacam-se:
Pomóideas - macieiras, pereiras e marmeleiros;
Prunóideas - cerejeiras, pessegueiros e ameixeiras;
Frutos secos - castanheiro, nogueira, amendoeira, pinheiro e aveleira;
Citrinos - laranjeira, limoeiro e tangerineira;

Outros não tradicionais - damasqueiro, medronheiro, limeira, romazeira, pistachio, figo da india e muitas outras mais.