Na actualidade, assistimos a um crescente interesse na substância vinho, quer na sua vertente económica e social, quer também nas actividades culturais que decorrem da sua natureza específica e da sociabilidade que entre os seus apreciadores se estabelece. No plano científico, começam a ser evidentes os benefícios para a saúde de um consumo regular e moderado de vinho.

A realidade nacional, é que aproximamos a produção aos níveis de consumo; por isso, para o viticultor, hoje em dia, não basta produzir, é necessário produzir com qualidade, acompanhando a vinha constantemente, em todo o ciclo vegetativo. Ao futuro vitivinicultor cabe a tarefa acrescida de se actualizar, ou de “ficar para trás”, conhecer as mais modernas técnicas de vinificação, investir em modernos equipamentos de armazenamento, acondicionamento, rotulagem e engarrafamento. Actualmente esta é uma fase crítica para quem possui ou aposta na vinha: ou actualiza-se, investe e avança (aproveitando as ajudas disponíveis), ou “passa o testemunho”.