Convém referir à partida que, a (re)produção de equinos não é para qualquer um. Requer conhecimento, experiência e aptidão para lidar com estes animais. Economicamente, existem muito poucos casos de empresas produtoras de equinos em Portugal que realmente se dedicam com profissionalismo a esta actividade. E porquê? Porque é um animal que a título produtivo, não a nível de lazer, não permite muitos descuidos: o maneio, em todas as fases do ciclo produtivo devem ser religiosamente cumpridos, assim como os pequenos pormenores não podem ser relevados. Isto exige um compromisso de tempo e dinheiro que na maioria dos casos, não é economicamente rentável. O mesmo se passa, embora num nível mais reduzido, nos asininos.


No entanto, a exploração destes animais, apenas a título de lazer, pode-se tornar compensador, existindo vários casos no País, de cooperações com unidades de turismo, associações especializadas, criação de circuitos, etc. O turismo actualmente compensa, e esta é apenas mais uma forma de abordagem desse tema; o grau de inovação, é fundamental para essa compensação.